quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Eventos no mês de Novembro


Oi pessoal,
Seguem alguns eventos sobre Educação e Educação Infantil que acontecerão nesse mês de novembro.
Vou atualizando conforme mais eventos foram sendo informados.
Abraço!


São Paulo


1. Palestra: Crianças em pesquisas nas cidades 
Com: Ana Lúcia Goulart de Faria (UNICAMP-Universidade Milano Bicoca)  e Marcia Gobbi (FEUSP)
Data: 16/11/2017
Horário: 19h às 22h
Local: Escola de Aplicação da Faculdade de Educação USP
Avenida da Universidade, 308

2. Assembléia Conjunta Fórum Paulista de Educação Infantil e Fórum Municipal de Educação Infantil: 
Temas:Educação Infantil Paulistana em risco: os impactos das políticas públicas no cotidiano das Unidades Escolares e Acolhimento Inicial das crianças, de suas famílias e de suas educadoras (es)
Data: 24/11/2017
Horário: das 9h às 17h30
Local: UNICID. Rua Cesário Galeano, 448/475. Prédio Alfa Sala 508. Tatuapé (Próx. estação Carrão do metrô)
Inscrições: seminariofemeisp@gmail.com
Evento gratuito







3. Novos diálogos da escola pública
Data: 04/11/2017
Horário: 9h às 13h
Local: EMEI Gabriel Prestes. Avenida da Consolação, 1012
Não é necessária inscrição prévia





4. Polêmicas contemporâneas sobre leitura e escrita na Educação Infantil
Com Mônica Baptista Correia
Data: 25/11/2017
Horário: 9h às 12h
Local: Rua Baumann, 73 – Vila Leopoldina – São Paulo / SP
Inscrições: www.veracruz.edu.br/instituto
Valor: 90 reais




5. II Seminário Ocupação Criança
Data: 07 de novembro de 2017
Horário: das 13h30 às 17h30
Local: Auditório UNIBES: Rua Oscar Freire, 2500 – Sumaré
São Paulo (ao lado da Estação de Metrô - Linha Verde).
Evento Gratuito - Vagas Limitadas


6. A Escola flexível e a pedagogia das diferenças
Data: 10/11/2017
Horário: 19h as 22h
Local: Escola THEMAeducando. Rua Piedade 185. Chácara da Barra - Campinas
Valor: R $ 90,00
Inscrições: http://www.themaeducando.com.br/site/formacao/inscricao.php





Minas Gerais


7. Dimensão estética na Educação Infantil: Registro, memória, identidade, beleza
Com: Prof. Luciana Esmeralda Ostetto
Data: 14/11/207
Horário: A partir das 14 horas
Local: Auditório Luiz Pompeu. Faculdade de Educação - UFMG
Não é necessária inscrição prévia



PARANÁ

8. Crianças e Literatura na Educação Infantil e Formação do Professor
ComL Nazareth Salutto
Data: 09/11/207
Horário: A partir das 19 horas
Local: Auditório do sub-solo - Prédio histórico Universidade Federal do Paraná
Praça Santos Andradde - Curitiba/PR
Inscrições: https://goo.gl/PmycQt



Fortaleza

9. Políticas para a Educação Infantil em risco: Dialogando sobre a escola sem partido e as relações de gênero e étnico-raciais
Com: Marina de Araújo, Margarida Marques e Marizete dos Santos
Data: 14/11/207
Horário: Das 8h às 16 horas
Local: Auditório da Faculdade de Educação - FACED - UFC. Rua Marechal Deodoro, 750 . Benfica, Fortaleza - CE




segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Política e educação no Brasil hoje: questões para a Educação Infantil



Entre os dias 20 e 22 de setembro aconteceu o XXXIII Encontro do Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil - MIEIB. A primeira mesa do encontro intitulada: “Política e educação no Brasil hoje: questões para a Educação Infantil”, teve a participação da Professora Macáe M. Evaristo dos Santos (Secretária Estadual de Educação de Minas Gerais), da professora Carmen Maria Craidy (UFRGS) e da Professora Dalila Andrade Oliveira (UFMG). A mesa trouxe importantes análises do momento político atual em que estamos vivendo no país e suas consequências para a Educação Infantil. Embora as três palestrantes tenham trazido questões importantes (que serão compartilhadas posteriormente nesse blog), a fala da Professora Carmem Craidy chama atenção pela análise macro da situação política nacional e internacional. Essa análise de conjuntura nos permite compreender momento atual vivido no país e nos ajuda a enfrentar os retrocessos que se sucedem a cada dia.



Golpe no Brasil

A professora Carmem iniciou sua fala falando da perplexidade e insegurança que o golpe causou em todos os planos: “um susto por dia: cada dia acontece alguma coisa nova”.

Quais são os agentes do golpe? Por que isso aconteceu?

A professora Carmem afirmou que os corruptos que estão no poder não são os principais protagonistas do golpe, apesar de se aproveitarem dele para se beneficiarem. 
“O golpe foi preparado por muito tempo e se situa em uma conjuntura de recomposição geopolítica internacional. O capital financeiro que teve um grande baque em 2008, que provocou uma grande crise do capital, recuo da social democracia na Europa, eleição de um presidente nos Estados Unidos ultraconservador. Vivemos uma crise civilizatória que ameaça valores construídos por décadas, a partir da segunda guerra, valor da liberdade, democracia, solidariedade, igualdade.
No caso brasileiro, nosso país tem uma história de dominação muito grave, na qual nunca chegamos a igualdade, nunca chegamos a viver a realidade democrática. Como diz o Boaventura, o grande desafio é de democratizar a democracia, o que não conseguimos em nenhum momento da nossa história”. 

“Alguns sintomas do reajuste geopolítico foram identificados:
- Sucessão de golpes na América Latina Paraguai, Honduras e Brasil. Golpes com características diferentes dos golpes da década de 1970, que foram golpes com características militares. Efeitos do golpe parlamentares quase piores que o de 1964. Golpe de 64 foi um golpe de perseguições, torturas e mortes mas não levou o Brasil a uma descaracterização como pais, que é o que nos ameaça hoje se se concretizem todos os projetos em curso: privatização, desrespeito a soberania nacional, nós seremos transformados em um pais de fornecimento de matérias primas e de commodities, sem autonomia e sem soberania. Entrega da Petrobras, Eletrobrás, desmonte dos avanços da navegação, avanço na ciência e tecnologia. Não existe avanço nacional sem ciência a tecnologia (que estão sendo destruída), permissão de compras de terras por estrangeiros. Destruição da educação, desrespeito ao PNE, e o corte de financiamento que vai criar uma desescolarização. Medidas que subalternizam o nosso pais. Medida de alto concentração do poder econômico e pauperização da população.

- Salta a vista o empobrecimento da população e a concentração de renda. Crise do capital chegou ao Brasil com atraso (aguda em 2008) mas chegou e foi enormemente agravada pela crise politica que não permitiu que as medidas necessárias fossem tomadas. E as medidas que estão sendo tomadas, são medidas na linha da salvação do capital e não do resgate da população pobre. Boaventura – Portugal é hoje o único pais da Europa que se desenvolve. Portugal recusou a proposta neoliberal que está avançando enormemente no mundo.

No Brasil nós vivemos não só um ultraliberalismo, mas também um ultraconservadorismo. Avanço não só no governo, mas na sociedade. Isso é possível porque se gerou uma situação de insegurança muito grande na sociedade, aumento enorme da violência e uma busca de solução só com repressão e controle social. Esse quadro pré-fascista ameaça de tal forma a sociedade que a tendência é radicalizar no conservadorismo e radicalizar no sentimento de que vale tudo.
As elites aderem ao ultraliberalismo e conservadorismo como forma de se preservarem como elites. A classe média insegura, querendo ser elite, adere também a essas perspectivas e a população pobre não tem instrumentos nem recursos para lutar.

Situação é de uma gravidade enorme!

Perplexidade da classe média e da população é tal que acaba aderindo a projetos ultraliberais e conservadores”.

“Outra questão que explica essa crise econômica que o Brasil vive é a baixa do preço do petróleo, que foi feita artificialmente, dentro dessa reorganização geopolítica internacional em que os EUA guardam suas reservas de petróleo e usam o petróleo de outros países para o seu consumo. Queda do petróleo provocou queda de recursos do Brasil e na Venezuela, por outro lado se busca os EUA buscam a desestabilização dos governos progressistas, eleitos depois das ditaduras de 60. Desestabilizar esses governos e manter a América Latina geopoliticamente dependente é fundamental para os EUA, que disputa com a China a geopolítica mundial, em função de que a China avançou enormemente economicamente no mundo e tem uma influencia enorme na AL e nos EUA, que a penetração econômica é importante.
       Esse quadro é meio aterrorizador e a gente se pergunta até onde vai e onde vamos chegar com isso. Ninguém sabe! Essa resposta não existe! Isso pode reverter ou se consolidar pelos próximos 30 anos”.

Papel dos movimentos sociais

     “O que me preocupa mais do que as propostas absurdas que o governo está fazendo, esse governo corrupto e ilegítimo, o que me preocupa mais do que isso, é a perplexidade e a desarticulação da população, a fragilidade da resistência. Isso é muito mais preocupante!”
      “Nesse quadro, o movimento social e suas resistências passam a ser uma prioridade”. A autora evidencia nesse sentido, o papel do MIEIB como um movimento importante no país dada sua capilaridade, clareza nas propostas e articulação nacional e coletiva.


-->
Para saber mais sobre a fala da Professora Carmen Craidy e as demais falas do encontro do MIEIB, segue o link:

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Site e Fanpage da Pedagogia com a infância

Olá Pessoal!

Currículo na Educação Infantil é um campo de grandes tensões, mas quem me conhece sabe da minha defesa por experiências humanizadoras, amorosas, brincantes e desafiadoras para os bebês e crianças pequenas. 

Também acredito que precisamos sempre refletir e dialogar sobre nossas práticas para que possamos avançar. 

Por isso, criei o blog:"Pedagogia com a Infância" há alguns anos atrás. 

Mas o blog foi crescendo e as informações ali postadas foram ficando cada vez mais difíceis de serem localizadas. Daí senti a necessidade de criar um site que pudesse deixar essas informações mais acessíveis a todas/os

Minha ideia é transformar esse espaço em uma referência de consulta e diálogo sobre as diversas temáticas da Educação Infantil  

Todas/os vocês são muito bem-vindos!

Segue o link:


Também criei uma página no face para divulgar cursos e eventos, links e novidades na Educação Infantil. Para seguir, segue o link abaixo.
Espero vocês lá!
https://www.facebook.com/pedagogiacomainfancia/

Abraços!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Eventos sobre Educação Infantil

Olá a todas e todos,

Esse semestre está recheado de eventos sobre a Educação Infantil. 

Aqui a lista com alguns deles, com links para inscrições.

Eventos no Estado de São Paulo





Tema: Educar para a criatividade - a dimensão estética nos processos educativos, conferência com a atelierista italiana Mara Davoli.

Local: Auditório do MAM - Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Data: 24/06

Link para maiores informações e inscrições: 
 https://www.facebook.com/events/214931415662888/?acontext=%7B%22action_history%22%3A%22[%7B%5C%22surface%5C%22%3A%5C%22messaging%5C%22%2C%5C%22mechanism%5C%22%3A%5C%22attachment%5C%22%2C%5C%22extra_data%5C%22%3A%7B%7D%7D]%22%7D






Tema: 20 Seminário de Educação Infantil - A natureza das Infâncias

Local: Prisma Centro de Estudos - Av. Srg. Geraldo Sant'Ana, 901 - Jardim Taquaral 

Datas: 19 e 20 de maio

Link para maiores informações e inscrições: https://prismace.wordpress.com/




Tema: A inspiração Pikleriana: a pedagogia dos detalhes na relação e nos cuidados com os bebês e as crianças

Local: Teatro Caritas - Rua Pedro Paulino dos Santos, 157. São Mateus São Paulo

Data: 23/05

Link para maiores informações e inscrições: 
https://www.facebook.com/Tessituras-Centro-de-Forma%C3%A7%C3%A3o-e-Pesquisa-1748956915326556/?pnref=story.unseen-section







Tema: 5 Seminário Diferenças e Resistências

Local: Teatro Florestan Fernandes - Universidade Federal de São Carlos - São Carlos

Datas: 19 e 20 de junho de 2017

Link para maiores informações e inscrições: http://www.ppgs.ufscar.br/5o-seminario-diferencas-e-resistencias/




Eventos em outros Estados do Brasil

III SLBEI - SEMINÁRIO LUSO-BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

Tema: Políticas, Direitos e Pedagogias das Infancias

Local: Universidade Federal de Alagoas

Datas: 3 a 5 de julho






Fórum de Educação Infantil de Pernambuco/ MIEIB

Tema: O lugar da linguagem escrita na Educação Infantil: A BNCC em foco

Data: 19 de maio de 2017

Local: Universidade Federal Rural de Pernambuco
Rua Don Manoel de Mederios, S/N Dois Irmãos







Fórum de Educação Infantil de Pernambuco/ MIEIB

Tema: BNCC: Da terceira versão à prática educativa: percursos a serem construídos

Data: 19 de maio de 201

Local: Centro de Cultura Luiz FreireRua 27 de janeiro 181 - Carmo - Olinda



Eventos em outros países




Tema: Jornada Internacional de Educação Infantil: Infância, Ética e Cidadania


Local: Cosmo Caixa Barcelona (Transmissão online)

Datas: 8 de julho

Link para maiores informações e inscrições:  http://www2.rosasensat.org/pagina/jornada







quarta-feira, 3 de maio de 2017

A criança como investimento e a invisibilidade da infância


A criança como investimento tem sido um discurso muito propalado pelo mundo e especialmente nos Estados Unidos. Há inúmeras pesquisas (links abaixo) que buscam provar quanto vale o investimento na educação infantil para a sociedade. Há pesquisas que, para medir esse impacto, buscam cercar os resultados nas aprendizagens (por meio e testagens de larga escala)  das crianças nos primeiros anos do fundamental, nos anos finais e na adolescência, pesquisas que procuram demonstrar que a frequência na Educação Infantil diminui a criminalidade e tem impacto na melhoria da saúde ao longo da vida dos sujeitos que a frequentaram. A própria UNESCO apresenta o cálculo de que investir U$1,00 na educação infantil significa economizar U$ 7,00 quando as crianças estiverem adultas.

É um discurso atraente e muitas vezes convincente, mas também preocupante! Isso porque foca na importância da Educação Infantil apenas como investimento. E assim, se reproduz a lógica de que a criança só é importante como sujeito que virá a ser.

A ideia de infância, como uma fase especial e distinta do adulto,  surgiu quando a sociedade se tornou tão complexa que era preciso que as crianças fossem preparadas para viver nela e a escola o lugar dessa preparação (Àries). A ideia de infância surgiu na perspectiva de vir a ser e tem sido perpetuada ao longo dos séculos.

As criança já são! São sujeitos que, longe de ser passivos, atribuem significado ao mundo e as experiências que vivenciam, tem curiosidades, desejos e inquietações e  se manifestam por meio de múltiplas linguagens, como gestos, expressões faciais, oralmente,... Visibilizar os fazeres e manifestações dos bebês e das crianças pequenas, demonstrando a potência desses sujeitos, é uma forma de  valorizar a infância como tal, não como vir a ser. E são inúmeras pesquisas (link abaixo) de  áreas como a sociologia e a antropologia que vem demonstrando essa potência por meio de metodologias de escuta.

Não é a toa que em boa parte do mundo, os professores de educação infantil sejam tão desvalorizados! Quanto menor a idade da criança, maior a desvalorização de seus educadores. Se há uma desvalorização e uma invisibilização da infância na sociedade, há uma desvalorização das/dos profissionais que trabalham com ela. Se considerarmos que a maior parte dos profissionais da infância são mulheres, a desvalorização se acentua, haja visto a desigualdade de gênero que ainda perpetua.


É preciso defender uma educação infantil na qual bebês e crianças pequenas  possam viver plenamente suas infâncias, brincando e interagindo com seus pares e com adultos, conhecendo sobre o mundo que a cerca por meio das múltiplas linguagens - que o ser humano criou para interagir e se comunicar - e aprendendo a cuidar de si, do outro, do ambiente, por meio de interações saudáveis, onde as pessoas estar bem e felizes!

Bem-estar, felicidade, curiosidades, manifestações infantis e mesmo aprendizagens [1] não se medem por meio de testagens em larga escala do desenvolvimento infantil, nem com fórmulas matemáticas. Isso não significa que as instituições de educação infantil não tenham que ser avaliadas nas práticas que disponibilizam para crianças e adultos.

Por fim,  visibilizar a infância e construir práticas pedagógicas e políticas públicas destinadas à elas, envolve mais do que pensar sobre seu futuro e o futuro da sociedade, mas trata-se de discutir: o que se quer para a infância hoje! E cada cidade, cada instituição de educação infantil tem a possibilidade de ser um espaço de debate sobre a infância. Visibilizá-la e lutar por ela é o nosso compromisso como defensores da infância!


_______________
1. Aprendizagem no sentido amplo do termo e não do número de letras, palavras  ou números que as crianças são capazes de enunciar, como boa parte dos testes preconizam.


Links para algumas das pesquisas citadas no primeiro parágrafo:
https://heckmanequation.org/resource/invest-in-early-childhood-development-reduce-deficits-strengthen-the-economy/

https://www.purdue.edu/hhs/hdfs/fii/wp-content/uploads/2015/07/s_wifis31c03.pdf

https://www.ineteconomics.org/perspectives/blog/heckman-study-investment-in-early-childhood-education-yields-substantial-gains-for-the-economy

http://www.child-encyclopedia.com/school-success/according-experts/school-completionacademic-achievement-outcomes-early-childhood

Links e referências para algumas das pesquisas citadas no 4o. paragrafo:

http://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/241

http://www.scielo.br/pdf/es/v27n95/a12v2795.pdf

CORSARO, W. A. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MÜLLER, F.; CARVALHO, A. M. A.. Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 31-50.

SARMENTO, M. J. (Coord.). As culturas da infância nas encruzilhadas da 2a modernidade. In: SARMENTO, M. J.; CERISARA, A. B. (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas sobre infância e educação. Porto: Asa, 2004.